Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.

CTA Meio Ambiente

  • +55 (27) 3345-4222

  • usa
  • bra

 
  HOME » IMPRENSA » NOTÍCIAS

22 de dezembro de 2017

Petrobras fará investimento bilionário no Espírito Santo

«
»

O Espírito Santo continua a figurar na lista de prioridades de investimentos da Petrobras nos próximos cinco anos. A companhia confirmou que vai instalar uma nova plataforma no Parque das Baleias, no Litoral Sul capixaba. A previsão é que a embarcação comece a operar em 2021. O anúncio do investimento bilionário foi feito na última quinta-feira (21).

A embarcação, do tipo FPSO (unidade que produz, armazena e transfere óleo), faz parte do projeto Integrado Parque das Baleias, e é uma das 19 plataformas presentes no Plano de Negócios e Gestão (PNG), que prevê um investimento de US$ 74,5 bilhões entre os anos de 2018 e 2022 em todo país. O valor é 0,5% maior do que o previsto no PNG anterior (2017-2021), de US$ 74,1 bilhões.

O detalhamento sobre os investimentos para o Espírito Santo para os próximos cinco anos não foi feito ontem. Mas o presidente da companhia, Pedro Parente, em entrevista em agosto deste ano ao Jornal A GAZETA, informou que no plano anterior seriam investidos US$ 2,5 bilhões, quantia que não deve sofrer grande alteração devido a pouca variação entre os planos.

A plataforma, que será instalada no litoral Sul do Estado, estará sob regime de afretamento, espécie de contrato de aluguel, na área do pré-sal, uma das mais importantes na produção de petróleo do país.

Segundo a Petrobras, vão ser interligados 22 poços do pós e do pré-sal dos campos de Jubarte e Cachalote ao novo FPSO. Com a operação, além de criar mais oportunidades de emprego, o Estado poderá melhorar seus números de produção e, consequentemente, de arrecadação de royalties.

Além da plataforma Integrado Parque das Baleias, há uma outra unidade que tem ligação com o Estado: a P-68. Ela, que está prevista para entrar em operação em 2018, no campo de Berbigão, na Bacia de Santos, está sendo construída no Estaleiro Jurong, em Aracruz.

DESTINAÇÃO

No PNG divulgado nesta quinta-feira (21), a carteira de investimentos permanece com o mesmo nível em relação ao PNG 2017-2021 e continua priorizando os projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil.

Do total de investimentos, 81% será direcionado para a área de exploração e produção de petróleo, 18% no refino e gás natural e 1% nas demais áreas.

“Nas demais áreas de negócios, os investimentos destinam-se, basicamente, à manutenção das operações e a projetos relacionados ao escoamento da produção de petróleo e gás natural”, diz a companhia, que projeta US$ 13,1 bilhões em investimentos em refino e gás natural.

Em relação aos custos operacionais, a Petrobras diz continuar com esforços de redução, prevendo um montante de US$ 136,8 bilhões de gastos operacionais gerenciáveis no PNG 2018-2022. O programa de parcerias e desinvestimentos, segundo a estatal, atingiu o valor de US$ 13,6 bilhões no biênio 2015-2016. Para o biênio 2017-2018 a meta é a mesma já anunciada, de US$ 21 bilhões.

“Essas iniciativas, associadas a uma geração operacional de caixa estimada em US$ 141,5 bilhões, após dividendos, permitirão à Petrobras realizar seus investimentos e reduzir seu endividamento, sem necessidade de novas captações líquidas no horizonte do Plano”, destaca a empresa.

PRODUÇÃO

A Petrobras informou, em seu Plano de Negócios, que espera alcançar uma produção total de óleo e gás, no Brasil e no exterior, de 3,55 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2022.

Desse total, 2,88 milhões de barris por dia (bpd) de óleo e líquido de gás natural (LGN) seriam produzidos no Brasil, já considerando os investimentos, as parcerias e os desinvestimentos. No plano anterior, a estatal projetava 2,77 milhões de barris diários de petróleo, no Brasil, em 2021.

A estatal também trouxe suas premissas de preço médio do Brent e taxa média de câmbio. Para 2018, trabalha com o barril do Brent a US$ 53 e um câmbio médio de R$ 3,44. Em 2019, estima o Brent em US$ 58 e um câmbio de R$ 3,55. Para 2020, vê o Brent em US$ 66 por barril. O valor do Brent sobe para US$ 70 por barril em 2021. Em 2022, o preço médio do Brent será de US$ 73 por barril, com o dólar a R$ 3,80.

Com informações da Agência Estado

ATÉ 2022

Investimento

Estável

Foi mantido o mesmo nível de investimentos no PNG 2018-2022 em relação ao PNG 2017-2021. Para os próximos cinco anos serão US$ 74,5 bilhões investidos, um aumento de 0,5% em comparação ao plano anterior (US$ 74,1 bilhões).

Redução da dívida

Previsão de redução da alavancagem (termômetro de endividamento medido pela relação de dívida líquida/Ebitda) de 5,3 vezes em 2015 para 2,5 vezes em 2015. Neste ano, ela está em 3,2 vezes.

Produção

Óleo

A Petrobras pretende aumentar em 38% sua produção de petróleo, no Brasil, entre 2018 e 2022 – de 2,1 milhões de barris diários de óleo equivalente (boe) para 2,88 milhões.

Total

Ao todo, a produção de óleo e gás da companhia é estimada em 3,4 milhões de barris diários de óleo equivalente (boe/dia), no Brasil, em 2022. Se somadas também as operações no exterior, esse volume atingirá 3,5 milhões de boe/dia.

Preço

Barril

A Petrobras projeta um preço médio do barril Brent em US$ 53 em 2018 e uma elevação gradual até US$ 73 o barril em 2022. Já o câmbio (R$/US$) é estimado em R$ 3,44 em 2018, subindo até R$ 3,80 em 2022.

Fonte: PNG 2018-2022 Petrobras

« VOLTAR